sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Filarmónica Gafanhense com novos corpos sociais

Projetos em parceria com escolas da região 
na agenda da nova direção

Novo presidente profere discurso de tomada de posse
No dia 20 de fevereiro deste ano, reuniram-se os membros dos Corpos Sociais da Filarmónica Gafanhense, eleitos no passado dia 13 de fevereiro, a fim de formalizarem a tomada de posse para o biénio 2016/2017. 
Na sua intervenção, o novo presidente da direção, Paulo Miranda, agradeceu o voto de confiança que lhe foi dado e salientou que conta com o apoio de toda a comunidade para engrandecer esta instituição com 180 anos de vida. Disse que «é tempo de mostrar mais uma vez que desafios existem sempre e que estaremos aqui para dar o corpo ao manifesto para engrandecer esta nobre associação», enquanto referiu que também «é tempo de mostrar às gerações anteriores que não passaram dificuldades em vão» e que temos de «mostrar que estamos vivos e diligentes». 
Garantiu que «o nosso futuro a nós pertence», prometendo «manter e melhorar as relações com as entidades aqui presentes e com as demais».

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Bolos doces com ingrediente secreto

Venda habitual aos missas
dos fins de semana 
nas igrejas da Gafanha da Nazaré


Manuel Sardo, Mariana Sardo e Milu


No domingo, 7 de fevereiro, na missa das 11h15, deparámos com pessoas amigas a vender bolos doces à porta da igreja matriz. Passámos por elas inúmeras vezes, mas pouco sabíamos das suas intenções e trabalhos. Desta vez, para matar a curiosidade, fomos ouvi-los. 
Manuel Sardo, sua esposa Mariana e Maria de Lurdes Sardo (Milu) lá estavam à porta da igreja a fazer o seu negócio, com a convicção de que haveria venda garantida. 
Manuel Sardo informa que o lucro da venda dos bolos se destina «às muitas despesas da nossa paróquia, com três templos para cuidar», para além dos múltiplos gastos com as diversas e constantes atividades.
A venda é feita nas missas dos fins de semana, tanto na matriz como nas igrejas da Chave e Cale da Vila, em alternância com os escuteiros, que também precisam de angarias fundos para as ações que desenvolvem e para a nova sede que vai ser construída.
A equipa dos bolos doces é constituída pelas pessoas já referidas e ainda pela Custódia Lopes e Pedro Fidalgo, o nosso dinâmico sacristão. É dele o forno para cozer os bolos e o trabalho de preparar a massa.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Convívio de Natal da Obra da Providência

A Obra nasceu de corações 
que sabem o que é o amor

Fernando Caçoilo, D. António Moiteiro e Eduardo Arvins
«Obra da Providência significa Obra de Deus», sendo importante sublinhar que «as obras não existem sem os que nelas trabalham, dando o seu melhor dentro do carisma da mesma obra», referiu D. António Moiteiro, no jantar de convívio promovido pela direção da instituição, em espírito natalício, no dia 20 de janeiro. 
O palco deste jantar foi um restaurante da nossa terra e contou com a participação do nosso bispo, do pároco da Gafanha da Nazaré, Padre César Fernandes, dos presidentes da Câmara e da Junta, respetivamente, Fernando Caçoilo e Carlos Rocha. Naturalmente, presentes ainda dirigentes e ex-dirigentes, trabalhadores e respetivos cônjuges, amigos e colaboradores da instituição, uns mais recentes e outros de longa data.
O Bispo de Aveiro lembrou o Ano da Misericórdia em curso, sob proposta e desafio do Papa Francisco, frisando que todos «somos chamados à prática das Obras de Misericórdia». Disse que «os santos não são aqueles que fazem milagres, nem aqueles que fazem grandes obras, mas os que fazem outros santos à sua volta». «Nós não entenderemos as Obras se não entendermos as pessoas, e as pessoas só se entendem com os seus sentimentos», frisou. 
O prelado aveirense referiu que nós precisamos de conhecer as instituições, salientando que «a Obra da Providência nasceu de corações que sabem o que é o amor». E sobre a comunidade eclesial e seus projetos, adiantou que «a nível da Igreja não há patrões, mas servidores». 
Informou que esta instituição nasceu para fazer o bem na sua paróquia e somente depois é que procurou a Diocese, que lhe deu “Missão Canónica”, isto é, que tem por fundamento essencial «viver o Evangelho». 
Por sua vez, Fernando Caçoilo, autarca ilhavense, afirmou que nos cabe, «no mundo globalizado, contribuir para uma sociedade melhor, dentro das nossas possibilidades», sendo «mais solidários». E disse que «uma instituição como a Obra da Providência merece que estejamos sempre a seu lado, tanto a Câmara como a Junta de Freguesia». 

A BARCA DA PONTE DA CAMBEIA VAI FICAR NO CAIS

Os que mais amo na vida: Lita, João, Aida, Fernando e Pedro  A Barca da Ponte da Cambeia vai ficar no cais. O homem do leme, que eu fu...